Rede ParceriaBlog.

Como criar uma marca: 12 dicas para empreender

quatro pessoas discutindo relatórios

Cada vez mais as pessoas estão buscando maneiras de empreender. O processo de tirar a sua empresa do papel pode ser burocrático, mas vamos te ajudar com dicas de como criar uma marca do zero.

No primeiro momento, criar a sua própria empresa e virar um empreendedor pode parecer um bicho de sete cabeças, ainda mais se você não tem nenhuma familiaridade com o assunto, e isso pode ser justamente algo que te desmotive a dar o primeiro passo. Mas fique tranquilo, você não é e nem será o único a passar por isso.

Antes de começar é muito importante ter em mente quais os seus objetivos e saber o que de fato é uma marca. E é sobre isso que vamos tratar neste post: traremos tudo que você precisa saber sobre o assunto!

Acompanhe!

O que é marca?

Pode parecer um pouco óbvio, mas você sabe o que realmente significa uma marca? A marca é aquilo que faz com que o cliente reconheça quem produziu ou prestou determinado serviço. E a forma que o cliente tem para identificar é por meio do produto oferecido, da imagem, do nome ou do slogan.

As marcas fazem parte do nosso dia-a-dia, em produtos que vão desde a pasta de dente até o seu carro ou roupa que você veste.

Nesse sentido, a sua marca deve mostrar para o cliente e até mesmo para os concorrentes quais os valores e objetivos que estão por trás dela, e isso pode ser mostrado por meio do nome, identidade visual e por aí vai.

Marca e empreendedorismo

Muito atrelado à marca e à criação de uma empresa está o empreendedorismo. Para tirar a sua empresa do papel e fazer acontecer, você deve empreender.

mulher carimbando relatório

O empreendedor tem a capacidade de identificar uma dificuldade e uma alternativa para solucionar esse problema, seja por meio de um produto ou serviço.

Por conta da crise causada pela pandemia do Coronavírus, muitas pessoas perderam os seus empregos e viram nesse momento de dificuldade uma oportunidade de empreender e criar o seu negócio.

Agora que você já sabe o que é uma marca e o que é ser empreendedor, chegou a hora de anotar as dicas e botar a mão na massa:

      1. Pesquise se o nome que você quer para sua marca já foi registrado no mercado

        O primeiro passo que você deve tomar é pesquisar se já existe no mercado alguma empresa com o nome que você pretende usar, independentemente do segmento. Essa pesquisa vai te fazer economizar dinheiro e evitar dores de cabeça futuras, além de te garantir exclusividade no uso do nome após o registro.

        Após a pesquisa e constatação que não existe nenhuma empresa no mercado com o mesmo nome que você pretende usar, faça o seu registro junto ao INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial, o mais rápido possível.

      2. Faça uma pesquisa de mercado

        É muito importante fazer uma pesquisa de mercado para saber quem são seus concorrentes e clientes em potencial. Tendo essas respostas fica muito mais fácil para você dar o passo seguinte para saber em qual direção seguir, além de possibilitar que a longo prazo você consiga se destacar no mercado.

        Pode parecer um pouco difícil fazer essa pesquisa de mercado, mas você pode seguir alguns caminhos como:

        1. Coloque-se no lugar do seu potencial cliente para tentar entender o que ele procura e como ou por onde ele procura. Assim você consegue ter uma ideia se é melhor investir em um negócio online ou offline;
        2. Converse ou entreviste pessoas que têm relação com o nicho em que você quer se inserir. Essa é uma boa maneira de conhecer um pouco mais sobre o mercado;
        3. Pesquise no Google e em redes sociais sobre os seus concorrentes, o produto e a categoria que você pretende vender.

        Ao longo da pesquisa você vai conseguir identificar quem são os seus principais concorrentes diretos e indiretos, quem são os clientes em potencial que podem consumir o seu produto mais facilmente e de que forma eles se comunicam. Tendo essas respostas, você consegue ter uma visão maior e planejar as suas estratégias de maneira mais assertiva.

      3. Defina seu público-alvo

        Sabendo quem são os seus concorrentes e o seu cliente em potencial fica muito mais fácil definir o seu público-alvo para saber qual o perfil desse consumidor. Qual a faixa etária, classe econômica, orientação sexual e por aí vai.

        Algumas empresas não conseguem sair do lugar justamente por não saberem qual o seu público-alvo, e acabam atirando para todos os lados – o que pode ser muito cansativo e frustrante.

        Veja um exemplo de público-alvo: mulheres, entre 30 e 50 anos, que moram no Brasil e gostam de maquiagem e produtos para a pele.

      4. Crie sua persona

        À primeira vista, público-alvo e persona podem parecer a mesma coisa, apesar de um depender do outro para ser criado, são coisas completamente diferentes.

        A persona é um personagem fictício criado em cima das informações do público-alvo. Esse personagem é criado para representar esse cliente e assim poder se comunicar com ele de uma forma mais próxima.

        Veja um exemplo de persona: Maria, 35 anos, mora em Curitiba, é professora universitária e gosta de comprar maquiagens em lojas de departamento.

      5. Faça uma análise de concorrência

        Analisar a concorrência não é o mesmo que pesquisar o mercado. É uma pesquisa sim, mas muito mais aprofundada sobre os seus concorrentes. Aqui você vai estudar quais produtos eles oferecem, como é o serviço que eles oferecem, se estão presentes nas redes sociais e como se comunicam com o público, se tem site, como é a loja física.

        Sabendo essas informações você consegue ter uma visão sobre os acertos e erros do seu concorrente.

        mulher carimbando relatório

      6. Crie sua análise SWOT

        A análise SWOT, traduzida para o português como FOFA, é o momento de definir quais são as forças (strengths), oportunidades (opportunities), fraquezas (weaknesses) e as ameaças (threats) da sua empresa. Ela é uma ótima aliada para traçar o seu planejamento estratégico, entenda:

        1. Forças: são os pontos positivos e o diferencial da sua empresa;
        2. Oportunidades: para traçar as suas oportunidades é importante saber sobre o mercado e definir o que pode abrir vantagem para a sua empresa;
        3. Fraquezas: aqui você vai traçar quais as suas desvantagens em relação aos seus concorrentes. O que eles têm que você não tem;
        4. Ameaças: são as situações fora da sua empresa que podem te prejudicar, ou seja, obstáculos que você poderá encontrar ao longo do caminho.

        É por meio da análise SWOT que você vai conseguir criar a sua missão (motivo pelo qual a empresa foi criada), visão (aquilo que a empresa almeja conseguir e onde quer chegar) e valores (quais os ideais e atitudes que a empresa espera dos seus colaboradores, fornecedores e clientes).

      7. Crie sua comunicação

        Como o nome já sugere, comunicação é a forma como você vai falar com o seu cliente, e isso vai depender justamente da pesquisa do seu público-alvo, se vai ser uma comunicação mais formal ou informal.

        Essa comunicação deve ser usada tanto na sua estratégia de marketing, quanto no seu site e redes sociais.

      8. Crie sua logomarca e identidade visual

        Sabendo quem é o seu público-alvo, quais os seus objetivos e sua missão e valores, é hora de criar a logo e identidade visual da sua marca. A logomarca tem grande importância na criação de um negócio e nesse momento o ideal é contratar um designer.

        É por meio da logo que você vai ser identificado no mercado. Além da logo é muito importante criar uma identidade visual, quais as cores, elementos visuais e tipografias vão estar presente nos seus produtos, embalagens, fachada da loja, redes sociais e tudo mais que envolva a marca.

      9. Crie um slogan

        Assim como a logomarca, o slogan vai ajudar com que você seja identificado mais facilmente no mercado.

        O slogan deve ser uma frase curta, animada e que mostre quem é a sua empresa.

      10. Crie seu branding

        É por meio do branding que você vai criar e estruturar de que forma será feita a divulgação da sua marca. Assim você estabelecer qual espaço quer ocupar no mercado.

        É por meio do branding que os clientes vão se identificar com a sua marca e por meio disso se tornar consumidores fiéis.

        Ao longo do tempo e com a evolução da empresa o seu branding pode mudar.

      11. Crie suas redes sociais

        Tendo um branding bem definido, chegou a hora de criar suas redes sociais e fazer o seu marketing digital. Mas lembre-se: não é apenas criar uma conta no Instagram ou Facebook e postar de vez em quando. Você deve ter um planejamento para criar os conteúdos e o principal, deve sempre manter o contato com os clientes.

      12. Planeje

        Por último, mas não menos importante e provavelmente a alma de todo o negócio, a dica é: planeje. Sem planejamento sua empresa dificilmente sairá do lugar.

        Esse planejamento vai desde a parte financeira até mesmo estoque e criação de conteúdo para as suas redes sociais. Planejar nunca é demais!

    Gostou das dicas? Agora com certeza vai ficar muito mais fácil tirar as suas ideias do papel e empreender.

    Aproveite para ler nosso post sobre relacionamento com o cliente e como fazer para que ele se fidelize à sua marca.

    Siga o nosso Instagram e fique por dentro de todas as novidades do nosso blog!

    Faça o download desde post inserindo seu e-mail abaixo.

Outros posts